Benefícios e propriedades da planta avelós

Por Natália Petrin em Plantas

O avelós é uma planta muito comum no Nordeste do Brasil. Suas folhas são pequenas e de toda a planta, verte um líquido branco, o Látex. Popularmente conhecida como Almeidinha ou árvore de são sebastião, sua parte usada para consumo, é o látex, que precisa ser dissolvido em água, uma vez que puro irrita a pele e os olhos. Possui propriedades anticarcinogênicas, antiasmáticas, antiespasmódicas, antibióticas, antibacterianas, antivirais, fungicidas e expectorantes, além de ser um bom purgante e antissifilítico.

Avelós

Foto: Reprodução

As propriedades medicinais e os princípios ativos

Óleos essenciais, hidrocarbonetos terpênicos, ácido cítrico, ácido elágico, eufol e algumas outras substâncias, são responsáveis por suas qualidades medicinais. O látex é eficaz como antiescorpiônico e ofídio, antirreumático, antiasmático, antibiótico, antibacteriano, fungicida e purgativo. É indicado para o tratamento de verrugas, calos, câncer, sífilis, tumor cancerígeno e pré-cancerígeno, cólica, asma e gastralgia. Estudos visam comprovar seus benefícios na luta contra o câncer, uma vez que, mesmo sendo usados popularmente há décadas como planta medicinal ainda não há comprovação científica.

Como usar?

O látex, leite produzido pela planta, deve ser extraído da haste, e colocado em um copo com água pura. Deve-se tomar uma colher de sopa da mistura do látex com a água de quatro a seis vezes ao dia e, em caso de tumores, o tratamento deve ser feito durante alguns meses.

Para dores reumáticas, o ideal é passar o leite diluído duas ou três vezes ao dia. Para tratamento de verrugas e calos, pinga-se uma gota do látex no local afetado.

Cuidados necessários e contraindicações

Altas doses são tóxicas, podendo causar coagulação do sangue e, se não diluído em água, pode provocar hemorragia. O látex é tóxico, irritante e cáustico à pele e, se atingir os olhos, pode cegar e até mesmo destruir a córnea. O uso em excesso pode causar queimação intensa, pálpebras inchadas, dores ardentes no globo ocular, visão borrada, erosão do epitélio córneo, acuidade visual diminuída, fotofobia, cegueira temporária e, em casos mais graves, pode levar o indivíduo à morte.

Escrito por Natália Petrin