Chá de agoniada e a ação benéfica contra doenças

Por Natália Petrin em Plantas

Agoniada é como chamamos uma planta de grande porte que possui madeira bem rígida, além da casca bastante amarga. O cultivo no Brasil é bastante extenso, principalmente entre Goiás e Rio Grande do Sul.

A planta, também conhecida como quina branca, sucuba, arapou, jasmim manga, tapouca, arapuê, sucuba, sucuriba e diversos outros nomes, possui muitas propriedades medicinais. As partes usadas para estes fins e proveito de seus benefícios são as folhas e as cascas que podem ser usadas no preparo de um chá.

Propriedades e princípios ativos

Este vegetal possui algumas propriedades que são derivadas dos seguintes princípios ativos:

  • Resinas
  • Plumerídeo
  • Óleos essenciais – farnesol e citronerol
  • Glicídios
  • Fulvoplumerina
  • Irinoides
  • Açúcares
  • Princípios amargos
  • Alcalóides
  • Plumerina e ácido plumeritânico
  • Glicosídeos
Partes utilizadas para o proveito dos benefícios da agoniada são as folhas e as cascas

Foto: Reprodução/ internet

Benefícios

O principal benefício atribuído à essa planta é o controle das cólicas menstruais, mas pode ser usada ainda para o tratamento de:

  • Asma brônquica
  • Ansiedade
  • Febre
  • Cólicas
  • Atorrías gastrointestinais
  • Catarros crônicos
  • Clorose
  • Amenorreia (por ser um estimulante da função gonadal, além de ser regulador dos ciclos menstruais)
  • Dores (devido às suas propriedades como analgésico e sedativo)
  • Espasmos
  • TPM
  • Dispepsia
  • Constipação intestinal
  • Edemas
  • Gastrite
  • Inflamações
  • Entre outras afecções.

Como preparar o chá

Para preparar o chá de agoniada, você vai precisar de:

  • Um litro de água filtrada ou mineral
  • Duas colheres de sopa das folhas da planta trituradas

Em um recipiente, coloque a água e as folhas de agoniada trituradas e leve ao fogo. Quando começar a ferver, marque no relógio dez minutos em que a planta deve ficar em cozimento. Passado esse tempo, desligue o fogo e tampe, deixando a mistura repousar por aproximadamente dez minutos. Quando amornar, coe e consuma o chá.

A dose indicada é de uma xícara a cada oito horas, mais ou menos, totalizando três doses diárias, preferencialmente, no período da manhã, tarde e noite. Mas não beba tudo de uma vez.

Contraindicações

O consumo da planta é contraindicado para mulheres gestantes, pois a planta, além de agir no aparelho reprodutor feminino, pode causar diarreia, pois estas tem mais propensão. Deve ser evitada também por crianças e mulheres em período de lactação.

A casca produz um látex que, quando em doses elevadas, pode produzir síncope, delírio e pode causar inclusive a morte. É importante que, antes de consumir qualquer medicamento, mesmo que natural, você procure um médico especializado para saber se determinada planta é o ideal para o seu caso, além de conferir as interações medicamentosas.