Chá de frângula – Benefícios e propriedades

Por Natália Petrin em Plantas

De nome científico Rhamnus frangula, a frângula é um arbusto ou árvore de pequeno porte que mede entre 2 e 6 metros de altura, nativa da Europa e da América do Norte. Para se desenvolver, não precisa essencialmente do sol, mas exige muita umidade, sendo bem desenvolvida perto de rios ou em terrenos alagados. Suas cascas devem ser colhidas normalmente ao final da primavera e início do verão, e guardadas por um período de um ano antes de serem consumidas. Com vida média entre 30 e 50 anos, sua madeira é usada para confecção de objetos decorativos, e a sua casca é usada para preparar um chá.

Propriedades e benefícios

A casca possui ação purgativa, digestiva, antifúngica, depurativa, diurética, tônica para o estômago, fígado e vesícula. Também conhecida como amieiro-negro, canjica e fusaro, a planta é comumente usada como laxante, tratando problemas de prisão de ventre. Seu consumo é indicado ainda para tratamento de cálculo biliar, icterícia, hemorroidas, artrite, câncer, herpes, edema pulmonar e na eliminação de parasitas intestinais.

Chá de frângula - Benefícios e propriedades

Foto: Reprodução

Como preparar o chá?

Para o preparo do chá, use a proporção de 5 g das cascas secas para cada 400 ml de água. Em um recipiente, adicione a água e as cascas levando ao fogo em seguida. Aguarde alcançar fervura e, ao chegar a este ponto, cronometre aproximadamente dez minutos. Desligue e tampe, deixando a mistura descansar por um período de duas horas. Coe e consuma uma xícara sempre antes das principais refeições, nunca ultrapassando a quantidade de três xícaras ao dia.

Contraindicações e efeitos colaterais

O consumo do chá de frângula é contraindicado para pacientes gestantes e mulheres em fase de lactação. Além disso, não deve ser consumida por pacientes com colite ou úlceras, ou que tenham problemas de inflamações intestinais agudas, como a doença de Crohn.

O consumo em excesso pode ocasionar efeitos colaterais como vômitos, enjoo e mal estar. Entre seus efeitos secundários estão cólicas na região gastrointestinal e a perda de minerais. Atenção, a casca deve ser consumida apenas seca, nunca quando fresca. O consumo contínuo pode causar irritação no sistema gastrointestinal, havendo risco de perda de eletrólitos. Sempre antes de consumir um medicamento, seja natural ou industrializado, entre em contato com seu médico e busque orientação.