Chás podem ter substâncias que provocam o câncer

Por Katharyne Bezerra em Degustação, Doenças, Outros, Plantas, Saúde

Para fugir dos medicamentos da indústria farmacêutica as pessoas estão buscando alternativas para tratar vários tipos de doença, desde as mais simples como dores de cabeça, até problemas de saúde mais complexos como diabetes ou câncer.

O estilo de vida “natural” está claramente instalado no cotidiano das pessoas, que buscam incessantemente usufruir da natureza em prol da saúde do organismo.

Contudo, se não for planejada corretamente, esta procura desenfreada por tratamentos alternativos e naturais pode atrapalhar mais do que ajudar a saúde.

Chás podem ter substâncias que provocam o câncer

Foto: depositphotos

No caso dos chás, por exemplo, as pessoas têm uma falsa impressão de que só porque as plantas veem da natureza, a bebida só vai trazer benefícios para o organismo.

A questão é que muitas ervas recebem aditivos de pesticidas e essas substâncias nocivas à saúde podem parar diretamente nas xícaras de chá.

O que diz as pesquisas internacionais?

Pensando em como as ervas são cultivadas e embaladas para servir como produtos, os pesquisadores da Glaucus Research resolveram estudar esses processos até quando o chá vai parar na prateleira do armário da sua cozinha.

Para isso, os cientistas avaliaram oito marcas de chá de saquinho, são elas: Tazo, Celestial, Lipton, Tea forte, Bigelow, Twinings, Teavana e Trader Joe’s.

Após saírem os resultados, os pesquisadores confirmaram que 91% das marcas continham resíduos de pesticidas a mais que o permitido pela Federal Drugs Agency (FDA). Além disso, os estudos mostraram outros dados preocupantes.

Por exemplo, no caso de um chá específico da Celestial, foram encontradas substâncias como 0.26 ppmd e propachlor, conhecidos como cancerígenos. Já em outra linha da mesma marca, outra toxina cancerígena foi encontrada, a chamada propargite.

Outra preocupação da Glaucus Research é a respeito da embalagem e talvez seja esse processo que acaba permitindo esse alto nível de pesticidas nas folhas do chá.

De acordo com o órgão, muitas empresas não lavam as ervas antes de embalar, simplesmente colhem e já embalam para seguirem para venda. Ou seja, após receber “banhos” de pesticidas, as folhas são colhidas e enviadas para o consumidor desta maneira.

Alternativas para fugir dos pesticidas

Apesar dos problemas investigados pela Glaucus Research, o chá não pode ser considerado um inimigo da saúde. Por esta razão, ainda é sim indicado apostar nessa bebida no tratamento de problemas de saúde. Contudo, é necessário seguir algumas recomendações, a exemplo:

  • Busque sempre produtos orgânicos, eles são a garantia de ervas sem pesticidas;
  • Procure criar uma horta própria, para que assim possa saber a procedência de cada elemento consumido;
  • Outra dica é optar por uma horta comunitária, que pode ser divida com vizinhos.