Poder anti-inflamatório: conheça o ‘milagroso’ chá de meliloto

Por Natália Petrin em Plantas

A planta conhecida como meliloto, cujo nome científico é melilotus officinalis pertence à família das leguminosas. Popularmente conhecida como trevo amarelo, trevo cheiroso, coroa de rei e anajá cheiroso, a erva é bi-anual e pode alcançar 70 centímetros de altura, contendo ramos ascendentes ou prostrados de flores brancas em cachos alongados e pendentes. As folhas são trifoliadas e as vagens – fruto – curtas. Estas são obtusas, enrugadas e possuem uma ou duas sementes lisas.

As folhas são bastante procuradas por abelhas devido o seu odor agradável e doce. Suas partes usadas para fins medicinais são as folhas e as flores. A planta tem seu uso muito antigo e seu nome significa lótus de mel.

Benefícios e propriedades

Poder anti-inflamatório: conheça o 'milagroso' chá de meliloto

Foto: Reprodução/ internet

Suas propriedades envolvem seu uso como cicatrizante, antiflogística, antiexudativa e antiedematosa, além de ser usada como antiespasmódica, antisséptica, adstringente, béquico e anti-inflamatório. Pode ser usada para a cicatrização de feridas, tratamento da insônia, febre intermitente, digestão difícil, reumatismos, traumatismos, eritema cutâneo, conjuntivite, edemas inflamatórios e congestivos, insuficiência venosa crônica, dor e peso nas pernas, câimbras noturnas, prurido e edema nas pernas, hemorroidas, congestão linfática, má digestão, azia, hiperacidez estomacal, afecções nervosas, tosse, resfriados, rouquidão, faringite, amigdalite, amenorreia e anuria.

Como usar

Para preparar o chá, que deve ser consumido como medicamento natural, você deverá usar as folhas e flores do meliloto.

Ingredientes:

– 1 colher de chá das folhas e flores secas
– 1 xícara de água

Para preparar, coloque a água em um recipiente e leve ao fogo. Enquanto aguarda a fervura da água, coloque em uma xícara as folhas e flores secas e reserve.

Quando a água estiver fervendo, desligue o fogo e jogue por cima das folhas e flores e tampe, deixando descansar por um período de, aproximadamente, 10 minutos. Em seguida, coe e consuma. A dose indicada é de duas a três xícaras por dia.

Pode ser usada ainda na forma de cataplasma, que usa o chá indicado acima. Somente quando a aplicação for na área dos olhos é que deve-se fazer de forma diferente. Para isso, faça um chá com:

– 1 colher de sopa de meliloto
– 2 colheres de sopa de tanchagem
– 1 colher de sopa de loios de jardim
– 1 xícara de água

O modo de preparo é igual ao chá anterior. Deve-se embeber rodeas de algodão no preparado e aplicar nas pálpebras fechadas por, pelo menos, cinco minutos.

Contraindicações e precauções

A planta, quando embolorada, pode causar hemorragias devido à presença de dicumarol, portanto, é preciso estar atento. Podem ocorrer em pacientes suscetíveis, transtornos hepáticos temporários. O chá quando consumido em doses elevadas pode causar cefaleia e torpor.

Entre seus efeitos colaterais estão dores de cabeça e problemas do fígado. O medicamento natural é contraindicado para pacientes gestantes ou lactantes, crianças e pacientes que fazem uso de medicamentos anticoagulantes.